8 de setembro de 2010

10 mais lindas imagens do espaço

Veja 10 belas imagens do espaço sideral, escolhidas mediocremente por mim entre as 100 fotos e concepções artísticas disponibilizadas pelo observatório ESO da Europa, no portal Terra.

A região NGC 3603. 
 O estudo dessa área da Via Láctea levou à conclusão de que, ao contrário de teorias anteriores, as estrelas de pequena massa se formam com uma grande explosão.
A galáxia espiral Messier 83.
Essa galáxia é, de várias formas, muito parecida com a Via Láctea. Ambas têm, por exemplo, uma barra que passa pelo seu núcleo, o denso conglomerado de estrelas visto no centro dela.

Laser lançado pelo VLT. 
 O Yepun, um dos telescópios que compõem o VLT, lançou este laser e criou uma estrela artificial a 90 m de altitude, na mesosfera. A Estrela Guia Laser (LGS, na sigla em inglês) é utilizada para corrigir imagens que foram distorcidas pela atmosfer.

O berçário de estrelas NGC 3603. 
Chamada de "fábrica cósmica" pelo ESO, essa região forma freneticamente estrelas em suas nuvens de gás e poeira. Além disso, é uma das áreas deste tipo mais próximas da Terra, a "apenas" 22 mil anos-luz do Sol, o que ajuda os astrônomos a estudarem a formação de estrelas, muito comum em outras galáxias, mas longe demais para estudos detalhados.

A aquarela de R Coronae Australis. 
 A região de formação estelar ao redor da estrela R Coronae Australis foi registrada em 12 frames, cada um com 67 megapixels, que formam esta imagem.

O centro da Via Láctea.
Esta é a segunda imagem do projeto GigaGalaxy Zoom. Com 340 milhões de pixels, ela mostra áreas centrais da nossa galáxia. O registro mostra uma área do céu que vai das constelações de Sagitário a Escorpião. As coloridas regiões de Rho Ophiuchi e Antares podem ser vistas à direita, assim com as áreas escuras, como a nebulosa Serpente. Mais avermelhadas, podem ser vistas as nebulosas Lagoa e Trifídia, assim como NGC 6357 e NGC 6334 .

Visão em infravermelho da nebulosa de Órion.
 Esta imagem foi feita pelo telescópio Vista e mostra detalhes que normalmente ficam escondidos pelas nuvens de poeira da nebulosa, que também é conhecida como Messier 42 e fica a 1.350 anos-luz.

O fogo escondido da nebulosa da Chama. 
 Esta foi a primeira imagem do telescópio Vista e mostra a região de formação estelar também conhecida como NGC 2024, na constelação de Órion, e seus arredores. O registro foi feito em infravermelho, o que mostra o núcleo escondido atrás de poeira e revela um agrupamento de jovens estrelas no coração da nebulosa. Outras duas nebulosas podem ser vistas: próximo ao centro, embaixo, está NGC 2023 e, a sua direita, está a Cabeça de Cavalo

Uma "piscina" de galáxias distantes. 
Esta imagem foi feita a partir de observações em um período de 40 horas e constitui a mais profunda imagem em banda U já registrada da superfície do planeta. Algumas galáxias são 1 bilhão de vezes menos brilhantes que a capacidade do olho humano em vê-las


Conjunção celeste em Paranal.
 Brilham nesta imagem a Lua, Vênus (esq.) e Jupiter. Os momentos quando corpos como estes parecem estar próximos são chamados de conjunções celestes

Observatório ESO veja mais 90 fotos e artes no Terra.
ESO European Southern Observatory

Um comentário:

COMENTE, aqui você fala o que pensa,
não moderamos suas idéias.

Professores de Português Obrigado e aproveita pra estudar outra coisa tambem.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...